Equipe DAMS simula classificação para valer. E Sérgio é o mais rápido em Barcelona

• por
Sérgio Sette Câmara em testes para F2 (7) Sérgio Sette Câmara em testes para F2 (7)

Quando a ordem da equipe DAMS finalmente veio para seus pilotos buscarem todos os limites possíveis, nesta quarta-feira, Sérgio Sette Câmara não só não a desperdiçou como mostrou a força do seu conjunto na competição. Nesta quinta-feira, os 20 pilotos das 10 equipes da F2 encerram, no Circuito da Catalunha, sua preparação para o campeonato que vai começar no Circuito de Sakhir, em Barein, de 29 a 31 de março.

No quinto dia de testes da pré-temporada da F2, em Barcelona, o mineiro de 20 anos estabeleceu o melhor tempo do dia, com a impressionante marca de 1min27s392 (34 voltas), quase um segundo mais rápido que a pole position de Alexander Albon, com o mesmo carro da DAMS, na definição do grid do GP da Espanha de F2 de 2018, 1min18s142.

VEJA+: F1 2019: testes evidenciaram a existência de três pelotões entre as equipes

O piloto mais veloz nos treinos de Jerez de la Frontera, na semana passada, e no primeiro dia em Barcelona, na terça-feira, o holandês Nyck de Vries, 24 anos, da ART, registrou nesta quarta-feira o segundo tempo, 1min27s507 (41), ou 115 milésimos mais lento. No terça-feira Vries havia obtido o melhor tempo e Sérgio o segundo, 117 milésimos de segundo atrás. Os dois pilotos são fortes candidatos a lutar pelo título do campeonato. Ambos estabeleceram seus tempos na sessão da manhã.

Várias equipes instalaram em seu Dallara-Mecachrome os pneus macios distribuídos pela Pirelli para simular a classificação. Além de Sérgio e de Vries, o chinês Guanyu Zhou, de 19 anos, estreante na F2, da UNI Virtuosi, realizou ótimo treinamento, com o terceiro tempo, 1min27s562 (43). A seguir, em quarto, veio o suíço Louis Deletraz, 21 anos, da Carlin, com 1min27s620 (30).

Outro piloto cotado para lutar pelas vitórias com frequência, o italiano Luca Ghiotto, companheiro de Zhou, ficou com quinto tempo, 1min27s922 (34). O treino tinha mesmo caráter de definição do grid, como atestam os tempos da maioria, todos com os pneus macios. A Pirelli levou para o Circuito da Catalunha os pneus médios também.

Mick Schumacher, 19 anos, filho de Michael Schumacher, piloto da Prema, é estreante na F2. Marcou o sexto tempo, 1min29s024 (32). O próprio meio da F2 o vê como postulante a estar dentre os protagonistas do evento, apesar da falta de experiência. Em 2018, disputou e venceu o europeu de F3, com a mesma equipe da F2, a Prema.

O companheiro de Sérgio, o canadense Nicholas Latifi, 23 anos, fez 1min28s139 (31), sétimo.

VEJA+: Treinos da F2: Cinco pilotos surgem como principais candidatos ao título

O detalhe curioso na relação entre Sérgio e Lafiti é que o pai do canadense, o bem-sucedido empresário Michael Latifi, é um dos sócios do Grupo McLaren, para quem Sérgio já trabalha como piloto de desenvolvimento do time de F1. Tão logo os treinos desta semana acabem, nesta quinta-feira, Sérgio viaja para a Inglaterra a fim de dar sequência ao seu trabalho no simulador da McLaren em Woking, ao sul de Londres.

A abertura da F1 será de 15 a 17 de março no Circuito Albert Park, em Melbourne, Austrália.

O treinamento da F2 no Circuito da Catalunha, uma semana apenas depois de a F1 deixar o autódromo com seus modelos de 2019, oferece alguns elementos para entendermos um pouco mais uma e outra categoria. O melhor tempo da F1 ficou com Sebastian Vettel, com Ferrari SF90, equipada com pneus Pirelli hipermacios, C5, bem mais aderentes que os apenas macios da F2. Tempo do alemão: 1min16s221. Sérgio, nesta quarta-feira, 1min27s392.

View this post on Instagram

Barcelona 2019!

A post shared by Sebastian Vettel (@vettelofficial) on

Para essas condições de pneus, bem favoráveis a F1, a diferença entre ambas no circuito catalão, de média velocidade, foi de 11s171. Uma equipe como a Ferrari investe pelo menos 300 milhões de euros (R$ 1,3 bilhão) por temporada, enquanto a DAMS de Sérgio, 3 milhões (13 milhões), ou 1% do orçamento italiano.

Na sessão da tarde, a maioria se concentrou em simular corridas. Com pneus médios e tanque cheio no início, os tempos de volta sobem consideravelmente. Sérgio, por exemplo, registrou 1min35s354, o 18º, mas completou importante número de voltas, 52, no traçado de 4.655 metros, o maior objetivo da DAMS. A corrida do sábado em Barcelona, a mais longa, tem 36 voltas, uma hora e dois minutos de duração.

A ART seguiu receita semelhante. Vries deu 53 voltas, com 1min34s656 na melhor, o 16º. Zhou ficou com o 13º tempo, 1min34s454 (47 voltas). Ghiotto, o 17º, com 1min34s869 (32), enquanto Mick, somente o 19º, com 1min35s624 (13).

Os carros voltam à pista nesta quinta-feira, a partir da 9 horas, 5 horas de Brasília.

VEJA+: Guia da F2: pilotos, equipes e datas das corridas de 2019