Quarto lugar, em Silverstone, ficou abaixo das expectativas de Sérgio

• por

O sábado de Sérgio Sette Câmara, patrocinado pela Youse, em Silverstone não fluiu como ele pensava. Mas o fim de semana do GP da Grã-Bretanha de F2 está longe de perdido para o piloto da equipe DAMS. Sérgio largou em terceiro na primeira corrida da sétima etapa do campeonato e recebeu a bandeirada em quarto.

Mas neste domingo, pelo critério do grid invertido entre os oito primeiros no sábado, sairá da quinta posição no grid na segunda corrida. E os pilotos à frente não estão dentre os que regularmente obtém grandes resultados. Assim, Sérgio deverá dispor de boas condições para impor seu ritmo, chegar bem classificado e recuperar, em parte, os pontos que talvez fossem possíveis neste sábado.

Como os treinos livres e a classificação, na sexta-feira, indicavam, a equipe UNI-Virtuoso venceu a primeira prova do programa da F2 em Silverstone, com o experiente Luca Ghiotto, italiano que disputa a quarta temporada na categoria. Largou em segundo no grid. O seu companheiro, o chinês Guanyu Zhou, pole position, ficou em terceiro.

A surpresa foi o canadense Nicholas Latifi, companheiro de Sergio na DAMS, terminar em segundo. Era o quarto no grid, atrás de Sérgio, terceiro. Latifi teve um início de campeonato excelente, depois produziu bem menos, teve azares, e nas seis últimas corridas, três etapas, não foi ao pódio.

Em Silverstone ultrapassou Sérgio ainda na primeira volta. O piloto mineiro defendeu sua posição, mas sem expor ambos à possibilidade de um toque. Isso porque na corrida de Spielberg, na Aústria, Sérgio involuntariamente colidiu na traseira do carro de Latifi, fazendo-o rodar.

Latifi passou para segundo na operação de pit stop. Os mecânicos da DAMS foram mais rápidos que os da UNI-Virtuosi e ele ultrapassou Zhou, que entrou nos boxes na sua frente, ainda na sexta volta de um total de 29.

A boa notícia para o campeonato é que o líder, o holandês Nyck de Vries, da ART, se classificou somente em sexto, o que permitiu aos adversários mais bem colocados neste sábado reduzir a diferença na pontuação.

Vries somou 8 pontos e chegou a 160. Latifi, 18, e tem agora 133. A vitória de Ghiotto lhe deu 25 pontos e o fez assumir o terceiro lugar que era de Sérgio. O italiano está com 122 pontos enquanto Sérgio, 121.

O mineiro de 21 anos tinha 107. Ganhou 12 da quarta colocação e mais 2 por ter feito, na 24ª passagem, a melhor volta da corrida, com o tempo de 1min40s858, à média de 210,2 km/h.

Zhou é o quinto no campeonato, com 104 pontos.

A corrida do domingo na F2 é chamada de Sprint, por ter menos voltas, 21 em vez de 29, e distribui menos pontos. Como regra, os pilotos não fazem pit stop. Largam com o jogo de pneus duros novos que têm e vão até a bandeirada. O vencedor recebe 15 pontos em vez de 25 da primeira corrida, o segundo, 12, e não 18, e o terceiro, 10, a 15. A melhor volta segue dando 2 pontos.

A largada, neste domingo, será às 6 horas, horário de Brasília, 10 horas em Silverstone.

Sérgio: “Guardei os pneus para o fim, mas houve pouca degradação. Os adversários continuaram rápidos”.

Depois de se reunir com os engenheiros da DAMS para analisar a corrida, estudar o que poderiam ter feito de diferente para de novo chegar no pódio, Sérgio deu o depoimento abaixo para a Youse.

Saiba +: Punição tira pódio de Sérgio Sette. Mas 5º lugar está longe de ruim. É o 3º no campeonato

Expectativas de Sérgio para Silverstone

Olá, amigos.

Há momentos em que você precisa refletir bastante com o seu grupo de engenheiros a fim de entender com precisão o desenvolvimento de uma corrida, em especial quando você deixa o carro com a sensação de que teria sido possível obter mais. Esse é o meu caso aqui em Silverstone, neste sábado.

Larguei bem, como nós todos que estávamos na primeira e segunda fila, ninguém conseguiu mais velocidade que os outros. Nos deslocamos em bloco. Mas logo em seguida começaram as disputas de posição. Vi o Ghiotto passar o Zhou para assumir a liderança e o Nicholas (Latifi) tentar me ultrapassar também para ficar em terceiro.

Tenho uma boa relação profissional com o Nicholas. Obviamente não gostou do que aconteceu na Áustria, mas é piloto também, entendeu que foi uma contingência da disputa. Aqui em Silverstone claramente nós dois estávamos preocupados, na disputa de hoje, em não causar um dano a si próprio e ao outro. Fomos prudentes.

Poderia ter me defendido com maior contundência, mas haveria uma chance de a corrida dos dois acabar ali, em um dos pontos mais rápidos da pista (a sequência de curvas Maggotts, Becketts, Chapel). Os dois evitaram chegar a esse extremo. Em resumo, o Nicholas saiu na frente.

Vi depois do nosso pit stop, no começo da corrida, que o Nicholas e o Ghiotto estavam lutando pelo primeiro lugar duramente. Os dois expuseram seus pneus ao limite. Travaram e arrastaram rodas. Ainda que Silverstone não seja muito exigente quanto aos pneus, acreditei que aquele estresse todo que eles haviam colado nos seus pneus dianteiros poderia cobrar um preço nas voltas finais.

Nas últimas corridas, com exceção da minha vitória, no domingo, na Áustria, eu guardei os pneus para as dez voltas finais e ultrapassei muita gente. Estava na mesma estratégia aqui em Silverstone. Mas infelizmente a pista não lhes cobrou os excessos do início como outras do calendário.

Na volta 24, eu tinha o carro completamente na mão. Faltavam cinco para a bandeirada. Dei tudo de mim e fiz a melhor volta, ganhei 2 pontos importantes. Fiquei a pouco mais de um segundo do Zhou, terceiro. E pensei que chegar ao pódio, por ultrapassá-lo, seria possível.

Tentei me aproximar, mas ao perceber que seu ritmo ainda era muito forte não tive alternativa a não ser me garantir em quarto. Não era o que eu tinha planejado e acho que dava para ser terceiro, por exemplo. Mas teria de ter começado o ataque ao Zhou antes.

Não fiz pelo motivo exposto, mantive o ritmo para ter pneus em boas condições no fim. Só que Silverstone, ainda mais com o asfalto novo, mais aderente e menos abrasivo, não degastou os pneus com outras pistas. Tem mais uma coisa, o carro da UNI-Virtuosi aqui está voando.

Neste domingo eu largo em quinto. Não tenho nenhum receio de dizer que vou partir para cima desde o começo. Como são menos voltas e a degradação dos pneus não é grande, quero lutar por um lugar bem alto no pódio, realisticamente possível, ao menos em condições normais. Tomara seja mesmo assim.

Perdi uma posição no campeonato para o Ghiotto, mas por um ponto. Nada que já neste domingo eu não possa recuperar. Ele larga em oitavo. Nos falamos amanhã depois da corrida. Vou gravar um vídeo para dar detalhes do meu fim de semana aqui em Silverstone. Abraços, amigos.

Saiba +: Domingo difícil para Sérgio em Silverstone. Saiu da pista e terminou apenas em 17º