6 dicas para economizar nas contas do mês

A Youse te ajuda a reduzir os gastos fixos com o Seguro Auto por km, pacote com cobrança justa, no qual você paga só pelo quanto usou

• por
Foto: Getty Images

A maioria das pessoas sentiu significativamente os impactos da pandemia. Segundo pesquisa divulgada pelo Instituto Datafolha, 46% dos brasileiros afirmaram que a situação econômica piorou durante a recessão econômica da Covid-19. Como quase metade dos brasileiros dizem ter perdido renda, com dólar nas alturas e contas que não param de aumentar, separamos seis dicas para você economizar no final do mês. E não precisa fazer mágica, basta mudar alguns hábitos.

Saiba +: Dicas práticas de direção defensiva

Saiba +: Principais mudanças da Nova Lei de Trânsito Brasileira

As contas fixas são inevitáveis, mas para saber onde o seu dinheiro está sendo aplicado, é importante registrar os gastos. E aqui começam as nossas dicas:

 

1 – Conheça sua vida financeira

Para controlar o seu dinheiro corretamente é preciso ter clareza total sobre quais são os seus gastos mensais. Com essas informações em mãos, o próximo passo é registrá-las em um desses aplicativos de finanças, em uma planilha no computador, ou até mesmo naquele velho, mas funcional, caderninho. O importante é visualizar a quantia que entra e sai da sua conta.

Depois, calcule o montante que é necessário para cumprir com seus compromissos fixos do mês: contas de água, luz, telefone, internet, condomínio, TV, celular, gás, mensalidades escolares etc. Dessa forma, você conseguirá distinguir o que são despesas fixas de despesas variáveis.

Após identificar cada tipo (fixo ou variável), confira se os gastos não essenciais estão muito altos e elimine o que é excesso. Exemplo: alguns deliveries podem ser evitados. Caso haja alguma loja com o produto desejado perto de sua casa ou trabalho, caminhe até lá e busque o que precisa. Além de ser mais saudável, economiza fretes desnecessários. Ao determinar onde o seu dinheiro será investido, fica mais fácil negar compras por impulso, poupando para o que realmente importa: uma viagem, carro novo, reforma da casa

 

2 – Logística e otimização

A qualidade de vida — ainda mais em tempos de pandemia, quando o home office mostrou que veio para ficar — é fundamental. Por isso, diminuir o valor cobrado por eletricidade e água pode ser um desafio enorme, sobretudo em época de inflação energética. Contudo, há truques simples que ajudam a atingir essa meta. A água é um bem extremamente valioso; com as dicas a seguir você irá não só economizar, mas também ajudará na preservação desse recurso:

  • tome banhos mais curtos;
  • ao lavar roupa, utilize toda a capacidade da máquina, evitando que ela gaste mais água, energia e sabão;
  • Use uma vassoura para remover a sujeira do quintal. Evite “varrer” o local com água da mangueira.

 

Uma estratégia interessante para salvar aquela graninha com a conta de luz é mudar o horário do banho, sobretudo durante o inverno. Ninguém resiste à tentação de ficar uns minutinhos a mais na água quente. Portanto, ao tomar banho no horário de maior calor, você consegue diminuir a potência do chuveiro elétrico e isso se refletirá no boleto. E ainda:

  • apague as luzes ao sair dos ambientes;
  • utilize lâmpadas mais eficientes, como as de LED;
  • compre eletrônicos com a etiqueta “A” do Inmetro, da geladeira à TV. Esse selo determina quais aparelhos consomem menos energia;
  • use, com moderação, tanto o aquecedor quanto o ar-condicionado;
  • não deixe carregadores na tomada, seja de computadores ou celulares.

 

3 – Evitar gastos supérfluos

A sua poupança ficará maior se você evitar todo e qualquer tipo de despesa. É um tanto óbvio afirmar isso, mas cabe a você identificar os gastos supérfluos no seu dia a dia, pois o simples ato de tomar aquele cafézinho após o almoço pode ser um grande “desvio” do seu dinheiro. Quer ver? 

Considere que um café expresso custa R$ 6 e você costuma tomar uma xícara, diariamente, ao finalizar o almoço. Durante uma semana, você terá desembolsado R$ 30 (segunda a sexta) e R$ 120 ao final de um mês. Com esse hábito, R$ 1.440 vão para o “ralo” em um ano.

Essa quantia poderia ser usada para tanta coisa, né? Um cafézinho é barato, mas vários podem representar um grande rombo no seu planejamento financeiro. A mesma lógica serve para o almoço/jantar/lanche durante o expediente: levar marmita, ao invés de ir a um restaurante, é mais saudável para o corpo e bolso.

Fica a dica: estabeleça um dia do mês no qual você não vai gastar absolutamente nada.

 

4 – Negocie serviços e dívidas

Todo ano os planos de TV, telefonia, streaming e internet sofrem reajustes. Com isso em mente, fique de olho nos pacotes e preços de outras operadoras para encontrar um mais vantajoso, e negocie um desconto para continuar na atual prestadora. E mais: caso você não utilize tudo o que é disponibilizado, opte por um pacote mais barato. Para muitas pessoas, o telefone fixo serve só de enfeite. Pratique o minimalismo: doe aquele aparelho que só ocupa espaço e reduza o preço da conta.

Dívidas no cartão de crédito são uma bola de neve. Nos feirões de renegociação é possível reduzir o montante em até 90%. #fiquedeolho

 

5 – Compare preços

Aproveitar as promoções no supermercado e comparar os preços entre estabelecimentos e produtos pode te ajudar a salvar uma boa grana. Para isso, baixe aplicativos, consulte sites e busque cupons de desconto que te ajudem nessa missão.

Outra dica importante é fazer uma lista de compras antes de ir ao mercado e não ir às compras com fome. Isso evita que você leve itens desnecessários, gastando com alimentos que não precisa.

 

6 – Seguro Auto por Km rodado

A Youse também te dá aquela força para diminuir o valor dos boletos com o Seguro Auto por km. Essa forma de usar o seguro para veículos tem todos os serviços e coberturas do Seguro Auto Youse, mas você paga somente pelo que roda, uma baita vantagem que garante total segurança.

O cálculo da fatura é fechado da seguinte maneira: um valor fixo é somado a uma quantia variável, que é determinada conforme a distância que você percorreu no período. Ou seja, é uma cobrança justa, pois quanto menos você usa, menos você paga.

Indicado para quem usa o carro apenas para trajetos curtos ou aos finais de semana, o Seguro Auto por uso é indicado para quem percorre até 300 quilômetros por mês. E não é um descontinho, não! Cotamos, para o mesmo veículo e perfil, o Seguro Auto Youse e o Seguro Auto por km. No Seguro Auto tradicional, tomando como base um carro popular, o valor foi de R$ 3.543 (ou R$ 295 por mês). Já com a cobrança por distância, a fatura cai para R$ 2.472 (R$ 206 por mês), uma economia anual de estonteantes R$ 1.071. 

Gostou das dicas? Com o Seguro Auto por km o pagamento é feito via cartão de crédito, os centavos cobrados pelos quilômetros não vão doer no bolso e o melhor é que tudo é 100% digital. Como essa modalidade também conta com todas as assistências, seu carro vai ficar sempre numa boa, mesmo parado na garagem. Um seguro cada vez mais #tipovc.