7 vezes em que a série Star Trek revolucionou o mundo

Acredite, você vai se surpreender com essas curiosidades!

• por
Imagem: Paramount

A série Star Trek é o Big Bang da cultura pop. Ela marcou gerações, quebrou paradigmas e causou grandes impactos na ciência. O primeiro episódio foi ao ar em 1966 e ainda hoje, mais de 50 anos depois, a série e os filmes inspirados nela ainda exercem uma enorme influência no mundo e continuam conquistando novas gerações de fãs. Quer descobrir todas as curiosidades por trás da tripulação da Enterprise? Então, aperte o cinto e vem com a gente! 🙂

Saiba+: #ModoCasa: 14 apps e jogos online pra ficar sempre conectado com os amigos

Saiba+: Dia do Gamer: 6 jogos pra você personalizar do seu jeito!

Conheça mais sobre a saga Star Trek

Influencers do espaço

Se você é fãzoca mesmo de Star Trek deve se lembrar da frase de abertura da série:  “Essas são as viagens da nave estelar Enterprise em sua missão de cinco anos para a exploração de novos mundos, para pesquisar novas vidas, novas civilizações, audaciosamente indo onde nenhum homem jamais esteve!”. Muitos guardam essa fase da vida na memória afetiva, mas teve bastante gente que fez dessa paixão pelo espaço uma profissão. Na NASA, a maioria dos cientistas é fã declarado da série. Não é à toa que o primeiro ônibus espacial foi batizado de Enterprise!

Um beijo revolucionário

A década de 1960 foi muito importante para a abertura do diálogo em torno da questão racial: o ativista Martin Luther King foi assassinado, o movimento dos Panteras Negras se consolidou no combate à desigualdade racial e atletas negros quase boicotaram as Olimpíadas do México como forma de manifestação. A série Star Trek cumpriu seu papel social na época, mais precisamente em 1968, quando a atriz Michele Nichols, que interpretava a Tenente Uhura, e o ator William Shatner, o famoso Capitão Kirk, protagonizaram o primeiro beijo interracial em um programa, entrando pra história da televisão. Sempre à frente do seu tempo!

Viva a diversidade

O beijo entre a Tenente Uhura e o Capitão Kirk reflete a preocupação do criador da franquia, Gene Roddenberry, em levantar a bandeira da diversidade na série. A primeira tripulação foi escolhida da forma mais diversificada possível, o que para a época era algo super transgressor. Palmas pra ele!

Vida longa e próspera, Leonard Nimoy!

Você pode nunca ter assistido às aventuras da tripulação de Star Trek, mas com certeza já viu a saudação com os dedos separados de Spock, nosso vulcano favorito. Quem interpretou Spock pela primeira vez foi Leonard Nimoy, um ator importantíssimo para a franquia e lembrado com muito carinho pelos fãs. Além de ter sido o único artista a participar de todos os episódios da série, foi Nimoy quem criou essa icônica saudação vulcana de “vida longa e próspera”, inspirada em uma saudação judaica que significa “todo poderoso”. A saudação se tornou um símbolo da cultura geek!

Não use vermelho 

Existiam três cores de uniformes dos funcionários da Enterprise: vermelho, azul e amarelo. Elas diferenciavam as funções de cada um. O curioso é que, propositalmente ou não, os personagens que mais morreram na franquia usavam vermelho. Em um episódio intitulado “What Are Little Girls Made Of?”, 59 membros da tripulação morreram e, calculando as estatísticas, 73% estavam usando camisetas vermelhas. Desde então, isso virou regra dentro da cultura pop: não importa se é uma série da década de 1960 ou um filme de terror, se o personagem estiver de vermelho, a chance de ele morrer aumenta drasticamente. Com certeza você vai reparar nisso na hora de ver o próximo filme!  

Dicionário intergaláctico

A série se tornou uma febre tão grande que os Trekkies, os fãs de Star Trek, ganharam até espaço no dicionário de Oxford. Pois é! Segundo o vernáculo, um Trekkie é “um admirador do programa americano de Ficção Científica Star Trek; portanto, um viajante do espaço; alguém interessado (trivialmente) em viagens espaciais”. Um luxo para poucos!

Bacharel em Klingon

Pra quem não sabe, os Klingons eram uma raça alienígena fictícia que fazia parte da série e que possuíam um idioma próprio, de mesmo nome. A narrativa criada em torno desses personagens foi tão verossímil que algumas faculdades dos Estados Unidos passaram a estudá-la! Universidades no Texas e na Pensilvânia ensinam o idioma intergaláctico e, na Pensilvânia, foi até criado o Instituto Linguístico de Klingon, uma organização independente que estuda a cultura alienígena. Isso é o que a gente chama de impacto!

Deu pra perceber que quando a gente disse que Star Trek revolucionou o mundo não foi exagero, né? Aqui na Youse, a gente ama descobrir histórias de ousadia e inovação e tá sempre em busca de informações legais pra você! 🙂