Time de várzea se reúne para pintar as ruas de verde e amarelo

• por

Jogar futebol é coisa séria, mesmo que de várzea. Para o time Só Resenha, de Osasco (SP) então, nem se fala. Fundado em 2011, eles já participaram formalmente de campeonatos e conquistaram uma torcida que os impulsionaram a reverter um jogo de 4×1. “O pessoal estava perdendo feio e a torcida começou a fazer o maior barulho. Viraram o jogo no último lance.” diz Luiz Felippe Tolotti, centroavante. Naquele dia, os meninos marcaram 5×4.

Qual é a força de uma torcida? Motivação é combustível de atleta? De acordo com um estudo realizado por alunos do curso de Educação Física da Unesp, não há como prever todas as influências que o público exercerá sobre a performance, porém é um fenômeno conhecido que a torcida impacta na conduta e na condição psíquica do jogador.

Mas torcer é só nas arquibancadas? Os jogadores do Só Resenha mostram que não. Dá para torcer numa boa reunindo os amigos para um churrasco ou pintar a rua para celebrar os jogos do Brasil. Num domingo, ás 9h30 da manhã, depois de falarem com a Secretaria de Transporte e Mobilidade Urbana para fechar um lado da rua 15 de Novembro, chegaram carregando latões, cal, pincéis e pigmentos. Todos de camisetas customizadas, especiais para a temporada.

Pelo histórico de jogos do Brasil, será que a expectativa é grande demais? “Se comparado com outros anos, acredito que tenha diminuído um pouco a empolgação. Mas, aos poucos, eu vejo que o brasileiro começou a enfeitar as ruas, mesmo que de última hora.” diz Gabriel Alonso, atacante. Ele, inclusive, trouxe a sobrinha para passar essa tradição adiante. “Espero que quando ela tiver 14, 18 anos, esteja aqui comigo!”

Afinal, torcer é união? E a união faz o time? “A gente é muito mais do que um time de futebol. Hoje somos irmãos.” diz Victor Mariano, centroavante. “Nós sabemos a diferença que torcida faz. A gente já foi campeão impulsionados por ela, pela força que deu pra gente. Sabemos que é importante e que faz diferença, torcida faz parte do futebol”.

*Leia o estudo completo aqui