Especial Amor pela Bike: uma paixão marcada na pele

Como a necessidade de praticar exercícios impulsionou o processo de cura de Julia. Descubra o amor de uma gestora de projetos por sua magrela!

• por

Julia andava de bicicleta desde a infância, mas apenas uma brincadeira de criança, né? O que era diversão se tornou uma necessidade na adolescência, quando a paulistana tratava uma depressão e o médico recomendou que ela praticasse algum exercício físico. 

Leia +: Como andar de bicicleta em segurança 

Leia +: 5 dicas de cuidados com a sua bike

Como não curtia muitas atividades físicas, Julia resolveu se arriscar com a bike. “Eu não tinha a minha própria bicicleta, então eu ia andar em parques. Engraçado que eu não tinha idade para alugar em meu nome, então meu pai sempre arrumava tempo e me levava para andar.” 

Para Julia, a bike representa a sua cura em um momento delicado da vida. “Eu lembro de estar andando, naquela época, e me vem uma lembrança sinestésica: de sentir o ventinho no rosto. Foi o que me ajudou a ficar bem”, conta. 

A bicicleta como símbolo de mobilidade

Julia comprou sua própria bicicleta 5 anos depois e a conquista trouxe a sensação de liberdade que ela tanto buscava. O sonho da bicicleta própria a permitiu ir onde quisesse, sem limitação de tempo ou de horário. 

Além da liberdade que sentiu ao ter sua própria bike, a gestora de projetos lembra que a conquista significou uma conquista em mobilidade. “Eu já usei muito a bicicleta para ir à faculdade e às vezes eu vou até para rolê de bicicleta. Vou encontrar meus amigos e deixo parada num cantinho. Funciona bastante.”

A bike é o meio de transporte do futuro?

Julia acredita que depender cada vez menos do transporte público é uma tendência que só tende a se fortalecer, e não imagina seu futuro sem a bike. Esta é uma das razões que a levaram a se mudar para uma cidade menor, em que pretende se locomover cada vez mais sobre duas rodas. “Às vezes as cidades não têm um sistema tão legal de transporte, e a bicicleta é uma opção para me levar onde eu preciso, muitas vezes até de forma mais rápida”, diz. 

A paixão é tanta que ela chega a pedalar 30 quilômetros por dia, cinco vezes por semana. E fez questão de marcar esse amor na pele: Julia tatuou a magrela, que para ela é mais que um meio de locomoção: representa autocuidado e bem-estar. 

E se você é igual à Julia e também tem paixão pela sua magrela, fica numa boa. O Seguro Auto Youse também é Assistência à Bike. Entra no site ou app para contratar do seu jeito!   

 

 

Texto por Suellen Amorim