Novembro Azul: ouse falar sobre câncer de próstata

Não dá para negar o tabu que ainda existe em torno do câncer de próstata, mas falar sobre o assunto é o primeiro passo para ajudar na conscientização sobre a importância de se cuidar

• por
Imagem:GettyImages

O Novembro Azul é uma forte campanha para a conscientização sobre a importância da atenção ao câncer de próstata. Mas, na prática, falar sobre a experiência de prevenção, diagnóstico e tratamento ainda é difícil para muitos homens.  

O medo é um dos principais fatores que interfere na falta de conversa. Como é uma doença mais comum em pessoas da terceira idade, os receios estão associados ao diagnóstico e ao envelhecimento em si. Pesquisas recentes feitas pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia de São Paulo (SBGG-SP) e a empresa Bayer mostram que quase metade dos homens enxergam a velhice como uma “ameaça”.

O mesmo estudo indica um outro tabu: o preconceito com um dos exames necessários para identificar a doença, o de toque: 49% dos entrevistados nunca fizeram o exame, sendo que 24% dizem não gostar ou achar pouco “másculo”.

Saiba+| Novembro Azul: quando é necessário fazer o exame de toque?

Saiba+| O que é Movember?

A verdade é que é normal a gente não gostar de falar sobre doenças e até sentir desconforto com alguns exames, mesmo no Novembro Azul. Mas também vale a pena dividir os medos e as informações, tanto para formar uma rede de apoio, quanto para quebrar os preconceitos e aumentar a qualidade de vida antes e durante o tratamento, no caso de um diagnóstico positivo.

Novembro azul: cuidar da saúde é normal

Rubens dos Santos, de 73 anos, sentiu falta de uma conversa mais direta, por exemplo. Ele conta que demorou a receber um diagnóstico com orientações precisas.

Apesar das alterações no exame de PSA, não houve um encaminhamento correto logo no início. “Eu fazia o exame de PSA, dava alguma alteração. Mas o médico não fazia o encaminhamento correto. Ele dizia que ‘tinha uma coisinha’. Mas não orientava. Aí eu voltava, o PSA estava mais alterado, e nada. Até que um dia procurei um médico particular que me falou na cara: ‘é câncer’”, relembra ele.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, o câncer de próstata pode não provocar sintomas, por isso é necessário fazer todos os exames. Se for detectada alguma alteração logo no início, a chance de remissão também será muito maior. O Novembro azul é a época certa para começar a olhar para a sua saúde!

A tecnologia veio para unir as pessoas

Tem muita gente que usa a internet para se informar e compartilhar histórias, pois as redes sociais garantem trocas com menos exposição, por assim dizer. Esses espaços costumam ser usados não apenas pelos homens, mas também por filhas, esposas e irmãs que tentam encontrar ajuda ou informação. É o caso de Juliana Ribeiro, de 33 anos. O pai de Juliana está com suspeita de câncer na próstata, já fez o exame de PSA e está aguardando o resultado de uma ressonância magnética. É um momento de muitas dúvidas. 

“Buscamos apoio e não queremos alertar a família até ter certeza. E recebemos uma resposta muito rápida ao escrever um comentário, por exemplo”, diz Juliana. Ela faz parte de um grupo sobre câncer de próstata no Facebook em que é preciso responder algumas perguntas antes de ser aceito. Lá estão milhares de postagens com dúvidas sobre a doença e histórias de quem já passou ou está passando pelo tratamento.

 “Meu pai está em estado de negação agora, não quer aceitar que possa ser um câncer. Ele só queria ficar cuidando do barzinho dele sem sentir dor” – Juliana Ribeiro

Ainda assim, os participantes desse grupo reconhecem que é imprescindível a opinião de um profissional. “É tudo pela pressa, ansiedade… A gente sabe que vai precisar levar meu pai ao médico, mas é que queremos estar preparados”, reconhece Juliana. 

Nada de cruzar os braços

Rubens dos Santos conta que não é fácil receber o diagnóstico. “É um impacto forte, né? Dá uma balançada. Mas eu decidi que não ia cruzar os braços, que ia fazer o possível. Se tinha recursos, eu ia atrás”, conta.

Ele reconhece que os homens não gostam muito de falar. “Fazem muita piada, conversa de bar, sabe? Mas aí, muitas vezes, quando vão ver, já é tarde. Então, eu digo que tem que procurar acompanhamento, fazer os exames, PSA, toque. Não deixar para amanhã, porque, no fim, é um procedimento de saúde normal, como as mulheres precisam fazer sempre pra se cuidar”, conclui.

Ou seja, cuidar da saúde é essencial para ter uma boa qualidade de vida e ousar viver do seu jeito! Além disso, falar com outras pessoas sobre esse assunto pode te ajudar a obter mais informações, mas nunca deixe de consultar um médico, beleza?