Dia do Orgulho LGBTQIA+: 6 histórias de liberdade e ousadia pra ensinar e inspirar

Jonas, Jéssica, Naiana, Aretha, Matheus e Rafael falam sobre seus desafios e ressaltam a importância de apoiar o Dia do Orgulho LGBTQIA+

• por
Imagem: GettyImages

Dia 28 de de junho é celebrado o Dia do Orgulho LGBTQIA+ e, dentro de todas essas cores do arco-íris, existe muita liberdade e ousadia pra gente ser quem é. Pra comemorarmos essa data tão importante, a Youse sai de cena e dá voz a seis influenciadores que são sinônimo de representatividade: Jonas, Jéssica, Naiara, Aretha, Matheus e Rafael. Ao longo da semana, eles invadiram nossas redes sociais e puderam falar tudo o que tiveram vontade, sem roteiros! Hoje, aqui no Start, eles dão uma aula de coragem e amor próprio e falam sobre a importância de resistir e existir. 

Saiba+: Dia das mães: segurança pra ousar ser #TipoVc

Saiba+: #OuseAmar: o amor projetado na cidade

Dia do Orgulho LGBTQIA+: Internet pra ampliar vozes

Jessica Tauane tá na internet desde quando isso tudo era mato. Em 2012, ela criou o Canal das Bee, em que falava sobre suas descobertas pessoais. “Criei esse canal porque eu mesma precisava escutar as palavras que dizia. Na época ainda não se falava sobre representatividade da forma que se fala agora, então eu não tinha referências ou pessoas me dizendo que estava tudo bem em ser como sou. A comunidade LGBT é muito unida e amorosa e foi muito acolhedor finalmente pertencer a algum lugar”, conta.

Jessica Tauane (esq)

Nessa mesma época, Naiana Ribeiro criou o Plus, primeiro veículo para mulheres e adolescentes gordas do país. Naiana traçou uma jornada de autodescoberta pela internet e, em 2017, se afirmou como uma mulher bissexual e pansexual – ela sente atração por pessoas, independente de sexo ou identidade de gênero. “Há cerca de dois anos vejo o quão necessário é falar abertamente sobre isso. Afinal, representatividade abre portas, promove discussões e amplia espaços”, afirma.

Em 2013, Rafael Maximo e Matheus Perine se conheceram, começaram a namorar e, seis anos depois, se casaram. Dessa relação nasceu o Londrinando, canal onde compartilham informações sobre a cidade de Londrina, no Paraná, e vivências como um casal gay. “Nossos seguidores acompanharam o nosso casamento, foi incrível”, relembra Matheus. Os dois se assumiram publicamente há sete anos. “Minha família fez toda diferença nesse processo. Eles me salvaram! Meu maior aprendizado nisso tudo foi de superar meus medos. O medo inibe você de ser pleno, de ser humano”, lembra Rafael. “Meu maior desafio era criar coragem pra contar para os meus pais. Demorou alguns meses para entenderem, mas hoje o Rafael é como um filho para eles”, conta Matheus.

Quem também lutou muito por seu espaço foi Aretha Sadick, multiartista negra e mulher trans que, há 15 anos, se reinventa pra se manter na cena artística. “Apesar dessas questões que me atravessam diariamente, tenho muito orgulho de onde cheguei e de onde estou. Meu maior desafio, assim como de tantas artistas, é vencer a comparação, reflexo direto do racismo e da transfobia”, conta Aretha. 

Já Jonas Maria produz, há três anos, conteúdo online voltado para às questões de gênero, transexualidade e estudo. “Inicialmente, escrevia em um blog pessoal minhas mudanças depois dos hormônios e da cirurgia. Meu público era reduzido à comunidade trans, mas, com o tempo, meu alcance foi se expandindo.”

Jonas Maria

Ousadia pra mudar o mundo 

O Dia do Orgulho LGBTQIA+ lembra que a busca por espaço e pela liberdade de ser quem é é diária. Para Jonas, a falta de reconhecimento dos direitos das pessoas trans está muito ligada à representação distorcida em jornais, na TV e no cinema. “A representação de pessoas trans nas grandes mídias é sempre sensacionalista e estereotipada. Esses veículos não só reproduzem a realidade, como também a constroem. Enquanto isso não mudar, o problema vai continuar existindo”, comenta Jonas. 

Se perceber como LGBTQIA+ e ter ousadia de levantar essa bandeira começa no autoconhecimento e na forma como cada pessoa se enxerga e se percebe no mundo. E saber que existem pessoas no mesmo barco só ajuda! “As dores e lutas são muitas, mas estamos conquistando novos espaços e ressignificando velhos conceitos. Independente de raça, gênero e de orientação sexual, é muito importante que você busque pertencimento e entenda que é livre e completo pra viver e ser quem você quiser. Nunca se esqueça de ousar e explorar a sua liberdade do seu jeito”, diz Naiana.

Naiana Ribeiro

“Quando estava no meu processo de me entender, me sentia no olho de uma tempestade e parecia que nada ia dar certo. O Rafael do passado nunca ia imaginar que estaria casado, feliz e independente”, afirma Rafael. Matheus reforça o mesmo pensamento: “Parece clichê dizer que essa tempestade vai acabar, mas ela passa! A vida fora do armário é maravilhosa!”.

Já Aretha acredita que sua própria existência é chave para a mudança. “Ser trans é revolucionário, pois confrontamos inúmeras normas estabelecidas no mundo. O meu convite é: cometa pequenos crimes diários de otimismo e confronte as sombras se quiser alçar a luz.” “É muito gratificante perceber que a minha história serviu de inspiração e superação para tantas outras histórias. Essa corrente do bem é inspiradora e pode ser feita por todos. Compartilhar nossas vivências e vulnerabilidades literalmente salva vidas. E isso é lindo!”, concorda Jessica.

Aretha Sadick

Das representações na TV aos canais no Youtube, uma coisa é certa: compartilhar histórias é fortalecer a comunidade e dar palco a uma voz que grita há tempos. Neste Dia do Orgulho LGBTQIA+ a gente quer te lembrar que ousar ser #TipoVc pode não ser tão simples, mas você não tá sozinho nessa, tá? Seja na internet, com seus amigos ou com a sua família, sempre tem alguém com uma história parecida pra mostrar que a liberdade de ser você mesmo é incrível! 🙂