#OuseAmar: o amor projetado na cidade

Carol, Pedro, Renan, Nívia, Ana e Marco compartilham suas histórias e provam que a gente deve, sim, acreditar no amor

• por

Amar é uma ação. E a gente sabe que em cada canto da cidade existe alguém corajoso o suficiente pra fazer essa escolha. Nesse Dia dos Namorados, reunimos histórias de pessoas que escolheram, todos os dias, vivenciar esse sentimento, cada um do seu jeito. 🙂

Saiba+: Dia dos Namorados sobre quatro rodas: conheça a história de casais apaixonados por carros

Uma dessas histórias é a da Carol e do Pedro, que se conheceram em Amsterdã. Ela morava na cidade com os pais e o Pedro estava lá a passeio. “Depois do nosso primeiro beijo, a gente nunca mais parou de se falar. O Pedro voltou pro Brasil e a gente ficou conversando pela internet. Namoramos quatro anos à distância, mas isso só fortaleceu o nosso amor. Sentia ele perto de mim o tempo todo”, lembra Carol. “Depois de quatro anos, a Carol voltou pro Brasil e nós casamos. Nos filmes, isso é sempre o fim, mas pra gente foi só o começo”, diz Pedro. Esse amor já dura 12 anos e continua firme e forte!

Outro casal que já tá junto há um tempão é a Ana e o Marco. E bota tempo nisso: 35 anos! Na época em que se conheceram, a Ana tinha 15 anos e o Marco 17. “O Marco foi o meu primeiro beijo e único amor. Temos dois filhos e uma linda história”, conta Ana. “As pessoas estão tão desacreditadas no amor que quando ouvem a nossa história sempre se surpreendem. Amar nos dias de hoje é um ato de ousadia. Tem que ter coragem!”, completa Marco.

Mas não é só o amor romântico que colore e preenche a cidade. No caso do Renan, ele projetou o amor em si próprio e percebeu o quanto isso transformou toda sua vida. “Quando tomei o controle da minha vida, tive a coragem de escolher ser quem eu sou e não quem queriam que eu fosse. Descobri que minha felicidade dependia apenas de mim”, afirma.

Já a Nivia decidiu se doar e projetar seu amor em milhares de vozes com o projeto Voice – Inglês para Elas, que ensina inglês gratuitamente para mulheres em Paraisópolis. “Sinto meu dever cumprido quando vejo que uma aluna que trabalha como atendente conseguiu conversar com um cliente estrangeiro ou que outra aluna, mais jovem, vai ter muito mais chances de passar no vestibular. Dar o direito do outro ser livre é um ato de amor. E quando a gente doa amor, a gente só recebe amor de volta, né?”.

E são essas e muitas outras histórias que fazem a gente ter certeza de que vale a pena, sim, acreditar no amor, mesmo em tempos difíceis. A gente aqui da Youse acredita que o amor é um caminho poderoso pra gerar a mudança que a gente precisa e que, mais que um sentimento, ele é uma escolha que vale a pena ser feita, pra ser vivida #TipoVc como e com quem quiser. Que nesse Dia dos Namorados a gente ouse amar mais, não só quem a gente escolheu pra viver junto nessa caminhada, mas qualquer pessoa que cruzar nosso caminho!