Sem surpresas, nem choques: garanta uma cobertura para danos elétricos

Em época de crise energética, qualquer desperdício deve ser evitado, ainda mais com as partes elétricas da casa. Veja como

• por

Com a conta de energia nas alturas, uma boa ideia é trocar as lâmpadas por modelos mais econômicos e até substituir alguns aparelhos domésticos que consomem muita energia — ou tirá-los de vez de funcionamento. Mas a gente já falou sobre esse assunto aqui no Start e você pode conferir mais sobre como economizar nas contas do mês clicando aqui.

Entretanto, nada disso vai adiantar se a sua casa não estiver com a fiação adequada, desperdiçando energia e, pior, colocando você e sua família em risco. Incêndios e acidentes com chuveiro elétrico podem acontecer a qualquer momento quando há fios desencapados, muitos aparelhos em um único ponto de energia e até pela utilização de adaptadores de má qualidade. #fiquedeolho

Saiba +: Como é calculado o Seguro Auto por Km?

Saiba +: 6 dicas para economizar nas contas do mês

Risco de choque

Afinal, como um dano elétrico pode acontecer? Segundo Carlos Kano, eletricista e proprietário da MGK Energia, o acidente mais comum é causado pelo excesso de equipamentos ligados em uma mesma tomada. “Para ligar mais de um aparelho em uma tomada, primeiramente é preciso saber o tamanho da bitola do cabo (ou a espessura do fio). Em segundo lugar, devemos fazer a medição de carga dos eletrônicos e, consequentemente, verificar a amperagem do disjuntor dessa tomada”, explica o eletricista.

O disjuntor é encontrado no principal quadro de energia da casa/apartamento e nele é possível desligar a chave geral. É justamente esta chave que deve ser desativada toda vez que um ponto elétrico precisar de manutenção, segundo a NR10 — Norma Regulamentadora que estabelece os requisitos mínimos para garantir a segurança e saúde dos trabalhadores que interagem com instalações elétricas e serviços com eletricidade.

Quadro de energia e disjuntores
Quadro de energia e disjuntores

E não é somente a sobrecarga de um plug que pode acarretar problemas no sistema elétrico. Alguns insistem em utilizar adaptadores de pinos de maior espessura (de 20 amperes) em tomadas de pino fino (10 amperes). De acordo com Kano, as consequências desse uso podem ser graves: “se o aparelho vem com pino de 20 amperes, devemos respeitar. Para a correta utilização da tomada é preciso trocar o bocal e verificar, mais uma vez, se a bitola do cabo suporta a quantidade de energia que esse aparelho vai puxar”, argumenta. Ou seja, eletrodomésticos como micro-ondas, máquina de lavar roupa e ferros de passar consomem mais energia e por isso precisam de plug com mais capacidade.

Desta forma, deve-se evitar instalações mal-feitas e os chamados “gatos”, aconselha o eletricista: “instalações inadequadas são aquelas que não são projetadas partindo do quadro de distribuição, o coração da casa. Para evitá-las, é preciso construir um projeto com os circuitos individuais para as tomadas e iluminação de cada ambiente. Pessoas que não são profissionais de eletricidade, normalmente, fazem sistemas em que os circuitos não são subdivididos, ocorrendo, assim, muitos problemas de curto-circuito”.

E esses curtos-circuitos também podem ser provocados por aparelhos com fio descascado que, segundo o especialista, deve ser descartado. Caso um desses fios entre em contato com a pele, ou água, os ferimentos podem ser sérios. “Nessas condições, não há garantia do fabricante e ele pode se isentar da culpa caso haja um acidente. Cabe ao profissional eletricista e ao cliente comprar e utilizar produtos em perfeitas condições de uso”, afirma Kano.

O mesmo acontece com o chuveiro, um dos vilões nesse quesito riscos com eletricidade. “Se os cabos do chuveiro derreterem e descarregarem a energia na água, pode dar um choque de alta voltagem em quem estiver por perto”, diz o eletricista da MGK Energia. 

Sinais de alerta

Um dos sinais de que pode haver ligações inadequadas de energia, é quando um disjuntor desarma com frequência. E quando há oscilações na iluminação, é provável que outros sistemas possam estar “roubando” a eletricidade que iria para a lâmpada.

Portanto, fazer manutenções preventivas no sistema elétrico é fundamental para garantir o bom funcionamento e a segurança: “inspeções devem ser feitas a cada cinco anos. Já o sistema, em residências, têm prazo de validade de 10 anos. Para estabelecimentos comerciais, a orientação é que as inspeções sejam feitas a cada três anos e o prazo de validade é de 60 meses. Já para indústrias, o prazo de validade é de apenas dois anos e a inspeção deve ser feita anualmente”.

Se você não entende nada sobre amperes, Watts e Volts, mas mas quer prevenir os perigos que pode estar correndo em casa, saiba que a cobertura de Danos elétricos, do Seguro Residencial Youse, pode te deixar numa boa.

Com essa cobertura você pode ficar tranquilo, pois a Youse indeniza o valor do prejuízo caso caia um raio ou role um acidente elétrico que queime eletrodomésticos, instalações e máquinas. E quem define o valor máximo dessa indenização é você, na palma da mão, direto no aplicativo da Youse.

E, além de todas as dicas que o especialista deu, aqui vão mais duas para não perder a cobertura  devido a instalações inadequadas: não faça instalações elétricas por conta própria e não deixe tomadas desprotegidas ou em uso perto de água.

Quer um jeito rápido de deixar seus bens numa boa? Tá na mão 🙂 https://www.youse.com.br/seguro-residencial/cobertura/danos-eletricos/