468 anos de São Paulo: notícias de uma “província” não tão distante

Compartilhar com o mundo um pouco do que acontece no próprio bairro. Foi pra extravasar o amor que não cabe no peito que nasceu o Ipiranga Feelings

• por
Vista aérea do bairro do Ipiranga. Imagem: Getty Images

Quando você se muda de casa, de rua ou de país, quer algo totalmente fora da caixinha, ou busca algumas semelhanças com o lugar de onde veio? Em seus 468 anos, São Paulo provou ser uma cidade com vários universos em um mundo só. Do tipo que dá pra se reencontrar com memórias da infância andando apenas algumas estações de metrô.

Um lugar do seu jeito

Jornalista compartilha passeios, novidades e histórias do bairro na página Ipiranga Feelings. (Foto: arquivo pessoal).

O Ipiranga quase não existiria no mapa da jornalista B.N.* se não fosse pelo famoso museu – e até ela se mudar para lá em 2014. Dois anos após a mudança, a paulistana se encantou com a região e começou o perfil Ipiranga Feelings para compartilhar com o mundo virtual através de fotos, likes e bate-papos o que vinha descobrindo de um novo bairro ou “província”, como costuma chamar. 

O amor à primeira vista da jornalista pelo bairro foi após ela encontrar uma árvore repleta de amoras, que não a toa foi a primeira foto publicada em seu perfil do Instagram. “Acho que o que me fez apaixonar por esse lugar foi a questão de parecer um bairro do interior. As pessoas foram muito acolhedoras comigo. Eu ia tomar chá da tarde com a minha vizinha. Aqui você vê crianças jogando bola na rua. E estando em São Paulo, eu acho isso mais louco ainda.”

A reabertura do Museu do Ipiranga vem mexendo um pouco com essa dinâmica. “Aqui na minha rua, um cuida do outro, indica coisas pro outro ou busca uma xícara de açúcar. Aí você vê que o bar do ‘tiozinho’ não está mais ali… Então é uma coisa que você não quer que se perca”, conta a jornalista, e complementa, que por conta do envolvimento com o perfil do Instagram, passou a reparar mais como o desenvolvimento desenfreado pode mexer com fiação, trânsito, encanamento e toda a infraestrutura e dia a dia do lugar. Contudo, segue firme e não pretende mudar da região. “Mas não sei se me vejo saindo daqui tão cedo. Tenho uma paixonite.”

Hoje, a página possui mais de 16 mil seguidores e também acabou assumindo um caráter informativo, Além disso, ganhou uma legião de fãs e formou uma comunidade  engajadíssima teve um olhar refrescado sobre o bairro ou passou a morrer de vontade de fazer as malas e se mudar para lá.

 

São Paulo é uma cidade múltipla, e com um pouco de ousadia e outro tanto de disposição, é possível criar uma versão diferente para que ela seja exatamente do jeito de cada um dos seus milhões de habitantes. Assim como a Youse. 🙂 Acompanhe outros relatos de amor à cidade em nosso Especial Aniversário de São Paulo e celebre com a gente o amor de quem se jogou com a cara e a coragem nessa selva de concreto. 

*Prefere não se identificar para manter a imparcialidade da sua página