Afinal, o que são carros elétricos?

Híbridos ou totalmente movidos por eletricidade, essas alternativas são uma boa para o meio ambiente

• por
Imagem: Getty Images

O Maio Amarelo é um mês que concentra algumas ações dos setores público e privado pra fazer a gente pensar sobre como nos comportamos no trânsito. O respeito com pedestres, ciclistas e motoristas é o mote pra um vaivém mais harmônico nas ruas, mas aqui cabe também a gente pensar sobre a gentileza dedicada ao meio ambiente. Como ir de lá pra cá deixando nossa tão amada natureza em segurança? Os veículos eletrificados, menos poluentes, ajudam nesse #TrabalhoEmGrupo.

Em um futuro não muito distante, a gente vai falar cada vez mais do consumo do carro por watts no lugar de quilômetro por litro. Até parar de fazer a continha pra ver se compensa mais etanol ou gasolina. Isso porque os carros elétricos estão logo ali, virando a esquina, e cada vez mais presentes no nosso dia a dia. 

Assim como a gente encontra diversas funções específicas na hora de escolher um veículo tradicional, com os elétricos não é diferente. Todos funcionam com bateria em pelo menos algum momento, mas existem variações entre os que são totalmente elétricos, os híbridos e os híbridos plugin.

Leia + Por uma mobilidade urbana mais sustentável

Leia + Maio Amarelo: um convite para um trânsito melhor e mais seguro

Situação atual dos carros elétricos

Só em 2020, foram 3,2 milhões de unidades vendidas por todo o globo, segundo a consultoria sueca EV-Volumes. Isto representa um número 43% a mais do que no ano anterior. #Uau

De acordo com a Associação Brasileira de Veículos Elétricos (ABVE), atualmente, o Brasil tem mais de 42 mil carros eletrificados em circulação, e o mercado está mais de olho nos híbridos – em partes pelos custos, em parte pela garantia de autonomia sem depender demais de infraestrutura. Mas vem crescendo o interesse por uma opção mais sustentável e de melhor desempenho: ainda segundo a ABVE, por aqui, em 2020, foram 19 mil novas vendas, um crescimento de 66,5% no comparativo com 2019. E montadoras como Fiat, Volvo, Renault, Peugeot, Audi, BMW e Porsche acreditam no potencial e devem trazer boas novas ao longo deste ano.

Aí sim eu vi vantagem

Os pontos positivos dos carros elétricos são exatamente esse adeus, ou pelo menos as visitas menos frequentes, aos velhos conhecidos combustíveis fósseis, que são mais poluentes e até mais barulhentos, já que a queima de petróleo, gás e carvão emite alguns ruídos. 

Pra carregá-los, a ideia é que a gente plugue o carro em um bico de abastecimento conectado à corrente elétrica. E tá feito: em algumas horas está pronto pra rodar. Dá pra fazer numa boa em casa, por meio de uma tomada residencial aterrada de 110V ou 220V, ou então, usar um “wallbox”, dispositivo que fornece mais energia rapidamente, e também em um dos aproximadamente 350 eletropostos em espaços públicos no Brasil. Ah, os carros elétricos têm ainda o que chamamos de “frenagem regenerativa”: a energia que o automóvel usa ao frear não é desperdiçada, volta direto pra bateria.

Nos híbridos, o motor elétrico complementa o motor à combustão em alguns momentos, mas a bateria é recarregável apenas pela energia do movimento. Diferentemente dos híbridos plugin, que dá pra conectar a uma fonte externa e o motor convencional entra em ação depois de esgotada a capacidade elétrica.

Em desenvolvimento

Uma outra coisa bacana dos carros elétricos é que, em geral, eles estão sempre no radar do pessoal de pesquisa e tecnologia. O próprio processo de produção nas montadoras está em constante evolução. Dá pra pensar em baterias mais sustentáveis e estudar formas de aplicar energias renováveis na recarga.

Já existem estudos sobre carros programados pra rodar com painéis fotovoltaicos, que são uma espécie de placas solares. Elas ficam instaladas ao longo da lataria, e deixam a energia do sol recarregar o veículo com ele parado ou mesmo em movimento.

A comunicação via 5G com elementos da cidade, como semáforos, por exemplo, também já está em pesquisas avançadas em montadoras como Tesla, Audi, BMW e Volkswagen. E mais pra frente, vamos ver até mesmo carros que vão se dirigir sozinhos a um eletroposto quando a carga estiver acabando. Independente, né?

Toma de volta

Tudo isto é um movimento das montadoras pra ficar por dentro do combo personalização + tecnologia, e assim, acompanhar nossos hábitos de consumo. A gente já vê por aí planos de assinatura de automóveis, ou então, carro pra ser alugado enquanto estiver fora de uso, e até mesmo acionamento por chaves digitais. 

 

Movimento esse que a Youse traz de berço: já nasceu 100% online, rápida e fácil, e te dá a opção de escolher só aquilo que você vai usar. 😉