Dia Mundial do Gato: 5 coisas que o felino diria se ele falasse

Que eles são muito fofos, a gente já sabe! Mas alguns dos seus hábitos expressam sensações que nem sempre percebemos. Você reconhece algum?

• por
Imagem: Freepik.com

Tem quem diga que eles são mais reservados, independentes, na deles. Até blasés! A verdade é que gatos são predadores natos e por isso são mais discretos. Contudo, seus hábitos conseguem demonstrar para seus tutores um pouco de como está o seu humor naquele dia. E mesmo que qualquer coisa que os gatinhos façam a gente ache fofa (e queira muito amassá-los!), vale sempre parar para prestar a atenção. #FicaADica

A expressão corporal já indica muita coisa: alegria, interesse, estresse, medo e atenção são alguns dos estados que a gente consegue notar pela maneira como se portam. Em geral, porém, os bichanos não costumam dar o braço a torcer e mostrar que estão doentes – na natureza, seriam presa fácil e ninguém quer dar bandeira, né?

Leia + Vai adotar um pet? E agora?

Leia + Como viajar com pets no carro em segurança?

Os indicativos de que alguma coisa não vai bem costumam ser aqueles que na maioria das vezes a gente consegue observar. Segundo a veterinária especialista em felinos Bárbara Santili, em geral, pelagem diferente e mudanças de hábitos são o que acende a luzinha de alerta.

Então, no Dia Mundial do Gato, a gente apresenta algumas manias que os humanos acham fofas nos gatos – e costumes dos humanos que os bichinhos não curtem tanto assim – pra gente cuidar ainda melhor dos nossos amigos de quatro patas. 😉 

  1. Vamos brincar de esconde-esconde?

Já procurou embaixo do sofá, atrás da estante, por baixo das cobertas, mas… olhou dentro do armário? Alguns gatos gostam de se aconchegar entre o quentinho das nossas roupas, ou até mesmo ficar mais quietos em seu canto de vez em quando, e isso é mais comum quando estão mais velhos ou em um dia de preguiça. 

Mas vale ficar de olhos bem abertos no pet, porque pode ser que alguma coisa não esteja muito bem por ali e a razão de ele se isolar seja por causa de algum incômodo que está sentindo.

  1. Bonita, só não é o meu estilo

Se a gente já ficaria de mau humor com um barulho tilintando a cada passo que a gente desse, imagina um animal que, por natureza, precisa ser silencioso e perspicaz na hora da caça? É melhor passar reto pelas tentações dos petshops: os gatos não são nada fãs daquela coleira com sininho que tanta gente acha legal.

O acessório pode estressar a fera e cortar o barato do animal de se divertir sendo elemento surpresa. Fora que o barulhinho constante pode afetar até mesmo a audição do gato.

  1. … mas sou limpinho!

Banho é bom – banho é muito bom! Mas colocar o gato embaixo do chuveiro não precisa. A menos que ele esteja sujo demais, né? De resto, ele mesmo dá conta da sua auto-higiene. 😉

Perfume, roupinha e qualquer outra coisa que tire a sensibilidade da pele do bichano pode mexer com o humor dele, segundo a veterinária Bárbara Santili. O contato com a água também tira o animal do sério — além de tirar os feromônios que são responsáveis por fazê-lo ficar numa boa. 

Alterar seu cheiro natural e dar umas borrifadas de perfume igualmente não seria bom se ele estivesse no meio do mato precisando sobreviver. Ele é um predador, como a gente falou, mas também pode ser presa, então natural que fique com as quatro patas atrás.

  1. Que susto!

Viralizou na internet uns tempos atrás vídeos de gatinhos levando um baita de um susto com um pepino colocado atrás deles sem que percebessem. O animal costuma dar pulos acrobáticos e sair correndo quando vê aquela figura inesperada, mas não é nada pessoal com o legume — e sim por seu formato se parecer com o de uma serpente.

Tomar essa pegadinha como hábito pode fazer o bichano se sentir inseguro e estressado dentro de casa por causa do constante estado de alerta. Então, por mais que possa ser engraçadinho na primeira vez, melhor não abusar do coração dele.  

  1. É só uma voltinha

Muitos gatos que vivem em casas com acesso à rua gostam de dar um rolê pela vizinhança na calada da noite. Mas alguns às vezes não sabem o que fazer com essa tal liberdade e acabam caindo em verdadeiras ciladas — é possível se depararem com algum tipo de infecção, ou mesmo trombar com algum carro no meio do caminho.

Por isso, para ter um gato, é preciso ter consciência de que a casa vai precisar passar por uma dança das cadeiras. Isso porque “gatos continuam lúdicos depois de adultos, por isso precisam de constantes estímulos”, como explica a especialista em felinos. 

E ela complementa dizendo que não basta telar a casa para o bichinho não sair para a rua se não “gatificar” o ambiente onde o animal vai habitar. O enriquecimento do espaço é fundamental para ele ter onde gastar toda sua energia e não se estressar por pouco. Às vezes duas caixas de papelão são só o que é preciso para o animal voltar a se alimentar e tomar seu banho numa boa.

Extra: Quem mexeu na minha comida?

Diferente do cachorro, os gatinhos precisam encher o bucho o dia inteiro. “O trato gástrico do gato foi feito para comer várias vezes no período de 24 horas e em pouca quantidade.” Segundo a veterinária, restringir não é uma boa opção. “O animal não consegue metabolizar tudo direito e, a longo prazo, isso pode causar problemas.”

Por isso, se você morar com mais de um animal e um deles precisar de cuidados especiais, vale trocar uma ideia com o profissional responsável para saber como seguir com essa dieta. O que Bárbara consegue recomendar de maneira geral é sempre ter um pouco de comidinha úmida, se possível todos os dias, e água à vontade.

 

A Youse sabe que tem pet que é como membro da família e por isso faz com que cuidar dos seus animais seja parte da rotina. Baixa o app e dá uma olhadinha na assistência Cão & Gato do Seguro Residencial, que tem uma série de serviços em saúde e bem-estar para seu felino e você ficarem numa boa. 😉