Sérgio Sette Câmara fala sobre tecnologia, Fórmula-E e os desafios da F1

Vem saber tudo que rolou na live que a gente fez com o piloto!

• por

Sérgio Sette Câmara é piloto reserva pela Red Bull e Alpha Tauri e competiu na Fórmula 2 pela equipe da DAMS. A gente convidou o Serginho pra sair um pouco das pistas e conversar com a gente sobre futuro e carreira em uma live super legal no nosso Instagram. Aqui, vc confere um pouco do nosso papo com ele, olha só! 🙂

Saiba+: Sette Câmara testa serviço de carros compartilhados elétricos

Saiba+: 5 coisas que você não sabe sobre Sérgio Sette Câmara

Saiba tudo o que rolou na nossa live com o Sérgio Sette Câmara!

Serginho tem 22 anos e começou a competir em 2006, com apenas oito! Hoje, ele é piloto reserva na F1 pela Red Bull e também compete na Super Fórmula Japonesa. Pra quem não sabe, a Super Fórmula é uma modalidade própria do país asiático. “O automobilismo no Japão é independente do automobilismo do resto do mundo. Eles têm, pelo menos, uma categoria forte em cada modalidade automotiva”, comenta. E os carros são diferentes também. “O carro em si é entre um F1 e um F2. Ele é mais rápido que o F2 e menos que o de F1.”

E tem espaço na vida do corredor pra Fórmula-E também, viu? “A Fórmula-E é uma categoria com a qual comecei a me envolver no final do ano passado. Pra um jovem piloto como eu é uma conquista muito gratificante, é como se tivesse só 40 vagas para o que quero fazer no mundo inteiro”, afirma. Sérgio conta também que estar envolvido com essa categoria não é um impedimento para a Fórmula-1. “Trabalho como reserva nas duas, pra ter um pé nas duas categorias.” O piloto analisa a categoria movida pela eletricidade como uma aposta para o futuro. “É a mais legal do mundo! Ela tá crescendo muito, a gente não faz ideia de como vai ser daqui a dez anos”, diz.

Sérgio Sette Câmara ainda fala sobre a importância da existência das corridas para o surgimento de novas tecnologias que podem melhor os carros do dia a dia. “Essa utilidade pra vida das pessoas sempre moveu o automobilismo. É muito importante essa conexão com as ruas. A partir do momento em que os motores a combustão não tiverem mais relevância nas ruas, a F1 vai ter que se reinventar.”

Pra quem vive o automobilismo, sabe que o capacete é o que carrega a identidade do piloto. “Precisava de um capacete com a minha identidade, com as cores do Brasil, do meu ídolo, que é o Senna, e com algumas referências do Rubinho também. Eu mesmo fiz o desenho”, conta Serginho. Ele contou mais sobre essa história aqui

Mas e sobre o futuro, como Sérgio imagina? Pra ele, a experiência e a persistência são e pontos que levam qualquer pessoa muito mais longe! “No futuro, me vejo disputando uma grande campeonato, representando o Brasil e levando a bandeira ali comigo. Venho me preparando há muitos anos e já passei por altos e baixos. Hoje, me sinto um piloto bem completo. Sempre corri em categorias de base e tô em uma fase da minha vida que é hora de mudar o chip!”

Quer saber os próximos passos do Sérgio Sette Câmara? Então, não deixe de acompanhar a gente por aqui e pelas nossas redes sociais. A gente tá sempre compartilhando uma história inspiradora pra te fazer ousar ainda mais. 🙂